Estudo de Variabilidade Genética

Estudo de Variabilidade Genética

Estudo de Variabilidade Genética

Coordenação: Prof. Dra. Cristina Yumi Miyaki, Departamento de Genética e Biologia Evolutiva Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo
Equipe: Cristina Miyaki, Flávia Presti, Neiva Guedes e equipe do Projeto Arara Azul

O Laboratório de Genética e Evolução Molecular (LGEMA) do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo iniciou seus trabalhos em 1992. A parceria com o Projeto Arara-azul foi uma das primeiras a serem estabelecidas e sempre foi uma das mais importantes. Vários dos alunos formados e sendo formados pelo grupo iniciaram seu treinamento de campo sob supervisão atenta da Profa. Neiva M.R. Guedes. Muitos desses alunos adquiriram experiência de campo graças a essa oportunidade de estagiar junto ao Projeto Arara-azul. Além disso, amostras de araras-azuis e de araras-vermelhas monitoradas pelo grupo têm sido utilizadas em diversos projetos de pesquisa de alunos de graduação (ROCHA, 2002), de pós-graduação (CAPARROZ, 1998; FARIA, 2000; PRESTI, 2006) e de pós-doutoramento do LGEMA.

Os projetos de pesquisa do LGEMA têm como objetivo geral compreender a distribuição da variabilidade genética de aves, principalmente da região neotropical. Esses dados são utilizados para inferir os padrões de distribuição geográfica e os processos geradores da sua mega-diversidade, visando compreender melhor a biogeografia histórica dos grupos de aves; e também buscamos auxiliar a conservação das espécies. Trabalhamos com dados de variabilidade genética em vários níveis: individual, populacional e de níveis taxonômicos mais elevados (como gêneros e famílias). Especificamente no caso da conservação da Arara-azul, estamos preocupados em compreender:

1) sua estrutura genética populacional para identificar a(s) possível(is) origem(ns) geográfica(s) de aves apreendidas, visando auxiliar o planejamento de ações de fiscalização para evitar a retirada de aves da natureza;
2) alguns dados sobre sua biologia reprodutiva, como, por exemplo, avaliar se filhotes encontrados no mesmo ninho são mais semelhantes geneticamente e, portanto, mais aparentados do que filhotes encontrados em ninhos diferentes;
3) identificar o sexo das aves (uma vez que não há diferença morfológica externa entre os sexos), permitindo avaliar dentre os filhotes de vida livre quantos e quais são machos e fêmeas e para formar casais para a reprodução em cativeiro e graças à parceria com o Projeto Arara-azul, vários dados foram gerados e fizeram parte de trabalhos de iniciação científica e de pós-graduação que foram apresentados em congressos e publicados em forma de resumos ou artigos completos (CAPARROZ et al., 2001; FARIA & MIYAKI, 2006).

Para mais informações, entre em contato pelo e-mail cymiyaki@usp.br

Deixe seu comentário!

Veja Mais
  • Projeto Arara Azul
    Projeto Arara Azul
    6 de março de 2020
  • Prêmios e condecorações
    Prêmios e condecorações
    27 de dezembro de 2019
  • 27 de dezembro de 2019
  • Jornal
    Jornal
    27 de dezembro de 2019
  • Vocalização das araras azuis
    Vocalização das araras azuis
    6 de março de 2020
  • Análise de metais pesados em Araras Azuis
    Análise de metais pesados em Araras Azuis
    6 de março de 2020
  • Estudo sobre Chlamydia psittaci
    Estudo sobre Chlamydia psittaci
    6 de março de 2020
  • Monitoramento de uma população de araras-azuis no Mato Grosso
    Monitoramento de uma população de araras-azuis no Mato Grosso
    6 de março de 2020
  • O Pantanal
    O Pantanal
    10 de fevereiro de 2020
  • Ponto de cultura FuturaMente
    Ponto de cultura FuturaMente
    6 de março de 2020
Translate »
Scroll Up