Projeto Aves Urbanas - Araras na Cidade

Projeto Aves Urbanas - Araras na Cidade

Projeto Aves Urbanas - Araras na Cidade

Coordenação: Neiva Guedes
Equipe: Larissa Tinoco Barbosa, Edson Diniz Pereira, Sabrina Appel, Aline Calderan e Neiva Guedes

Em 1999, foi acompanhada a chegada das araras-canindé e araras-vermelhas em Campo Grande, a Capital de Mato Grosso do Sul. Na época, houve um período acentuado de estiagem, que somados aos desmatamentos e queimadas, na zona rural e municípios do entorno, provocaram grande escassez de alimentos. Elas vieram de Terenos em grupos de 48 e 27 indivíduos. Uma parte do grupo se estabeleceu em Campo Grande e outra parte, continuou migrando para Ribas do Rio Pardo, Águas Claras, Três Lagoas, chegando até a divisa de Mato Grosso do Sul, com São Paulo e Paraná. Aves generalistas são frequentes em ambientes urbanos e a arara-canindé (Ara ararauna) é uma espécie comum na cidade de Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul (MS).

Embora seja comum e com ampla distribuição, é pouco estudada em vida livre e estudos detalhados sobre sucesso reprodutivo são importantes para monitorar a população a longo prazo. Desta forma, o objetivo principal deste projeto é monitorar o sucesso reprodutivo da arara-canindé área urbana de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, e analisar os resultados, ao longo dos anos, com o desenvolvimento da cidade. Os ninhos cadastrados são acompanhados semanalmente por registro fotográfico desde a postura dos ovos até o voo dos juvenis. Os ninhos são correlacionados com a localização e distância de áreas verdes. É avaliado o nível de perturbação veicular (NPV) nos ninhos.

O período reprodutivo da arara-canindé em Campo Grande ocorre de agosto a dezembro, podendo se prorrogar até janeiro ou fevereiro do ano seguinte. Em média 92,3% dos ninhos com pares reprodutivos tem sucesso com a postura dos ovos, dos quais 83,3% tem sucesso com o nascimento dos ninhêgos e 81,6% tem sucesso no voo dos juvenis. Os ninhos são construídos em palmeiras nativas e exóticas e estão localizados dentro dos quintais das residências ou imóveis comerciais, calçadas e passeios públicos em avenidas e parques. A maioria dos ninhos cadastrados (54%) ficam dentro ou próximo de uma área verde.

As araras-canindé estão se reproduzindo com sucesso na área urbana de Campo Grande. Estudos complementares poderão determinar os fatores que influenciam a reprodução dessa espécie na cidade. As araras hibridas (resultado do cruzamento de arara Canindé (Ara ararauna) com arara vermelha (Ara chloropterus)) também estão sendo monitoradas. Pretende-se utilizar estas espécies, que são tão emblemáticas para envolver a comunidade nas questões ambientais, principalmente para a importância da conservação da biodiversidade.

Aline Martins Pereira Calderan (Projeto Aves Urbanas – Araras na Cidade)
Bióloga, Técnica em Meio Ambiente pela SED, atualmente é Mestranda do Curso de Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional pela Anhanguera Uniderp. Iniciou suas atividades no ITA como estagiária e continua atuando no Projeto Aves Urbanas – Araras na Cidade, até hoje.
CV: http://lattes.cnpq.br/7758777649153327

Sabrina Cristiane Appel (Projeto Aves Urbanas – Araras na Cidade)
Bióloga. Foi voluntaria do projeto Junior Achievement no ano de 2013. Participou e apresentou no 9º seminário interno de Iniciação Científica, 7º Encontro de Pós-graduação Stricto Sensu e 3º Encontro de Pós-Graduação Lato Sensu, na Universidade Anhanguera Uniderp Matriz. Tem como curso Biologia Forense – a ciências desvendando crimes e Zoologia Forense. Atualmente é colaboradora do Instituto Arara Azul, especialmente no Projeto Aves Urbanas – Araras na Cidade.
CV: http://lattes.cnpq.br/6374637912894126

Luis Dervalho (Projeto Aves Urbanas – Araras na Cidade)
É estudante de biologia da UFMS e estagiário no Instituto Arara Azul.

Larissa Tinoco Barbosa
Bióloga, mestre e doutora do Programa de Pós–graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional da Universidade Anhanguera. É pesquisadora do Instituto Arara Azul, tendo atuação principal no Projeto Aves Urbanas – Araras na Cidade.

Deixe seu comentário!

Veja Mais
  • Projeto Biologia reprodutiva da maracanã-de-cara-amarela
    Projeto Biologia reprodutiva da maracanã-de-cara-amarela
    6 de março de 2020
  • Projeto Morcegos Brasileiros
    Projeto Morcegos Brasileiros
    6 de março de 2020
  • Programa de Conservação a Arara Azul de Lear
    Programa de Conservação a Arara Azul de Lear
    6 de março de 2020
  • Monitoramento de uma população de araras-azuis no Mato Grosso
    Monitoramento de uma população de araras-azuis no Mato Grosso
    6 de março de 2020
  • Conservação das Araras Azuis na região de Carajás, no Pará
    Conservação das Araras Azuis na região de Carajás, no Pará
    6 de março de 2020
  • Ponto de cultura FuturaMente
    Ponto de cultura FuturaMente
    6 de março de 2020
  • Jornal
    Jornal
    27 de dezembro de 2019
  • Histórico
    Histórico
    27 de dezembro de 2019
  • Revistas Nacionais
    Revistas Nacionais
    27 de dezembro de 2019
  • Monitoramento da Biologia Reprodutiva da Arara Azul de Lear
    Monitoramento da Biologia Reprodutiva da Arara Azul de Lear
    6 de março de 2020
Translate »
Scroll Up